Mel, o Ouro Líquido

Todos nós conhecemos o famoso Mel, o Ouro Líquido, mas você sabe como ele é produzido?

A produção começa quando as abelhas operárias que trabalham fora da colmeia coletam néctar das flores. Essa é a matéria-prima do chamado mel verdadeiro, mas as operárias coletam qualquer líquido açucarado que possa ser usado para fazer o alimento. É por isso que é tão comum vermos abelhas coletando restos de refrigerante, por exemplo.

Mas como as abelhas não têm baldinhos para levar o néctar até a colmeia, então elas levam no papo! Ou seja, elas levam o mel na boca e é aí mesmo que o néctar já começa a ser transformado em mel, com a ajuda de algumas substâncias que as abelhas produzem em glândulas da boca (as enzimas invertase e glicose oxidase). As substâncias misturadas mudam o tipo de açúcar do néctar e impedem que o mel estrague pelo aparecimento de micróbios.

Quando as operárias chegam à colmeia, o néctar trazido no papo é depositado nos favos e, então, as operárias de dentro da colmeia começam a desidratá-lo, batendo suas asas em cima dos favos provocando uma ventilação que faz evaporar o excesso de água do néctar, transformando o xarope aguado em mel bem doce e grosso.

O mel pode ser produzido a partir do néctar de um só tipo de flor, como é o caso do mel de laranja feito com o néctar das flores de laranjeiras. Pode, também, ser resultado da mistura do néctar de diferentes flores do campo. Neste caso, ele é chamado de mel silvestre.

As abelhas operárias não fazem o mel para nós, mas para elas mesmas. O mel misturado com pólen e geleia real (substância produzida exclusivamente pelas glândulas de abelhas operárias jovens) é oferecido para as crias e também comido pelas operárias que trabalham fora da colmeia. Já para a rainha, as operárias servem somente a geleia real durante toda a vida. Mas, como as abelhas produzem muito mais mel do que necessitam para se alimentar, esse excesso vem em forma de ouro líquido para nossas mesas.

Benefícios

O mel é fonte de frutose, glicose e sacarose sendo assim o principal substituto do açúcar na dieta alimentar. Fornece cerca de 300 calorias por 100g do seu consumo, alem de ser fonte importante de vitaminas e sais mineirais como cálcio, magnésio, fósforo e potássio.

A glicose do mel é rapidamente absorvida pelo corpo humano o que faz com que tenhamos energia instantâneamente após o seu consumo além de ajudar a manter os mineirais por mais tempo no nosso organismo. Por isso o mel é altamente recomendado para os atletas, pois traz o benefício do rápido tempo de recuperação quando necessário.

Por ser um hidratante natural, o mel traz muitos benefícios a pele como evitar o ressecamento, ter ação anti-fúngica e bactericida. E por conter peróxido de hidrogênio é um importante cicatrizante em casos de cortes e queimaduras o que ajuda a diminuir as marcas e pigmentos na pele.

Porque o mel açucara?

A cristalização do mel é um processo natural que ocorre devido a separação da glicose da frutose, formando cristais. O tipo da origem floral, o pólen e o néctar das flores utilizado pelas abelhas para produzir o mel, são fatores que interferem na rapidez da cristalização do mel. Dependendo da temperatura e da florada, o mel leva mais ou menos tempo para cristalizar.

Um bom mel, puro e de qualidade cristaliza, enquanto que o mel super aquecido ou acrescido de glicose comercial, calda de açúcar ou melado de cana não costuma cristalizar e indicia falta de pureza. Há méis que podem até ser puros, sem adição de glicose ou produtos de pouca qualidade, mas que passam por alguns processos como pasteurização, homogeneização e são submetidos a altas temperaturas, o que reduz significativamente a qualidade deles e portanto, não cristalizam.

Mas fique tranquilo, não existe problema nenhum em mel cristalizado, muitas pessoas acham até mais gostoso consumir o mel nesse outro estado. O mel cristalizado e liquido tem as mesmas propriedades nutricionais e energéticas.

Mel puro

Mel puro

Para saber um pouco mais sobre as abelhas, acesse o site do Apiário Santo Antônio.

Ainda não existem comentários.

Comentários